We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. Read more…
Friday
25
MAY

Marco da Silva Ferreira (Portugal) Dança

21:30
22:30

Get Directions

Category
#var:page_name# cover

4ª edição Festival "encontros do DeVIR"

25 Maio, 21h30
Cine-teatro Louletano
"Brother" Marco da Silva Ferreira (Portugal | dança)
60 minutos
maiores de 16
preço 5€
informações e reservas 289 414 604


Brother (“irmão”) é também um incómodo "bother". Uma tentativa de pulsar comum, uma sensação de pertence e de afeto, um eco de forças externas, e no fundo, uma assumida fragilidade pela constatação de perda e finitude. Caras amarelas, corpos em sintonia e muito movimento. Muita batida e um movimento que se propaga e contagia quem vê e quem o produz.

É uma criação para 7 intérpretes que estabelece uma relação de complementaridade com o anterior trabalho HU(R)MANO. Em ambos, o foco é a dança existente em contexto de grupo, mas descolam-se uma da outra nas referências temporais e no processo de composição. Se em Hu(r)mano se abstractiza e se formaliza a dança contemporânea urbana, em brother olho para uma ancestralidade comum e procuro pontos de afinidade e similaridade que sobreviveram às passagens geracionais e que estão reminiscentes nos corpos e na dança que ainda hoje se desenvolve.
O que procuramos juntos através da dança?
Brother compõe-se através do mimetismo constante entre os intérpretes que é gerador de movimento, comportamentos e padrões. Desenvolve-se vocabulário não-verbal que se regenera e se transforma ao longo do tempo através de compromissos ou desbloqueadores que individualmente cada um manifesta. Surgem e desvanecem pontes móveis entre o agora e o longínquo. À macro-escala é uma reflexão sobre herança, memória, códigos, processo de aprendizagem e transmissão. Brother é também um incómodo "bother". Uma tentativa de pulsar comum, uma sensação de pertence e de afeto, um eco de forças externas, e no fundo, uma assumida fragilidade pela constatação de perda e finitude. Um pernoitar por este lugar que se faz fazendo.

Direcção artística e Coreografia: Marco da Silva Ferreira
Assistência artística: Mara Andrade
Intérpretes: Anaísa Lopes, Cristina Planas Leitão, Duarte Valadares, Marco da Silva Ferreira, Vítor Fontes, Filipe Caldeira, Max Makowski
Direcção técnica e desenho de luz: Wilma Moutinho
Músicos (ao vivo): Rui Lima e Sérgio Martins
Operação técnica: Cláudia Valente
Produção executiva: Célia Machado
Produção: Pensamento avulso, associação de artes performativas
Parceiros (residências): Centro cultural Vila-Flor, o espaço do tempo, Quinta do Rio
Co-producção: Teatro Municipal do Porto (PT); Teatro Municipal São Luiz (PT) Centre Choéographique National de Rillieux-la-Pape | Direction yuval Pick (FR)


\\\

Brother is also a bother. A common beat attempt, a feeling of belonging and affection, an echo of external forces and deep down an assumed frailty by the acknowledgement of loss and finitude. Yellow houses, bodies in sync and a lot of movement. A lot of beat and a movement that spreads and infects those who watch and those who produce it.

Is a creation for 7 performes which establishes a complementarity relation with the previous work HU(R)MANO. On both, the focus is the dance that exists in a group context, however, they detach from each other in the temporal references and composition process.
In brother I look for a common ancestrality and I research for affinity and similarity points which survived through generational transfer and are still reminiscent in the bodies and in the nowadays dance. What do we look for together through dance? Brother is choreographed by a constant mimecry between the performers that are the generators of movement, behaviors and patherns. Non-verbal vocabulary appears and over time, it becomes regenerated and transformed by the individual commitment or unlocker manifestations. Movable bridges emerge and fade away between the now and the faraway. At the macroscale it is a thought about heritage, memory, codes, learning and transmission processes. Brother is also a “bother”. An attempt of a common pump, a feeling of belonging and affection, an eco of an outsider force, and indeed an assumed fragility by the finitude and loss statement. An overnight stay for this place which it is done by doing.


Artistic direction e Choreography: Marco da Silva Ferreira
Artistic Assistance: Mara Andrade
Performers: Anaísa Lopes, Cristina Planas Leitão, Duarte Valadares, Marco da Silva Ferreira, Vítor Fontes, Filipe Caldeira, Max Makowski
Technical Direction and Light Design: Wilma Moutinho
Musicians (live act): Rui Lima e Sérgio Martins
Technical operation: Cláudia Valente
Executive producer: Célia Machado
Production: Pensamento avulso, associação de artes performativas
Partners (residencies): Centro cultural Vila-Flor, o espaço do tempo, Quinta do Rio
Coproduction: Teatro Municipal do Porto (PT); Teatro Municipal São Luiz (PT)
Centre Choéographique National de Rillieux-la-Pape | Direction yuval Pick (FR)


_________________________________________________

/// Contactos
Reservas | Reservations:
cinereservas@cm-loule.pt | 289 414 604
Compra Online | Buy Online:
http://cineteatrolouletano.bol.pt/
Site: http://cineteatro.cm-loule.pt/


acção integrada na 4ª edição do Festival "encontros do DeVIR"
mais informação: www.encontrosdodevir.com