We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. Read more…
Thursday
03
MAY

Sobre Carnaval, Política e Poder

18:30
21:30
Estúdio Kubo
Event organized by Estúdio Kubo

Get Directions

Category
#var:page_name# cover

Curso de quatro noites, sobre a relação entre Carnaval e política. Perseguidas e discriminadas desde sempre, numa cidade que sonha contrariar sua formação, as Escolas de Samba sustentam, ao longo das décadas, relação pragmática com o poder, permitindo-se, aqui e ali, críticas políticas em seus desfiles.

Na maior parte do tempo adesistas, evoluíram para abordar temas ligados a seu povo, batendo no racismo, na luta contra a pobreza e na discriminação. Para criticar a condição de sua gente, numa festa de celebração, produziram identidade única, alicerce da arte que deslumbra o mundo. Tudo em nome da sobrevivência.

Vamos tratar disso, a partir de quatro tópicos:

A origem. Nascidas num tempo em que o samba ainda era proibido, as escolas precisaram driblar os poderosos para existir. O exagero da proibição legal – dentro do projeto de domesticação dos corpos existente que está na gênese de nossa sociedade – consolidou a relação com o poder. Nos avanços e recuos, nasceu a forma de as escolas funcionarem – para o bem e para o mal.
O patronato. As escolas se agarraram aos patronos por instinto de sobrevivência. Em troca, deram a eles a fresta para se legimitarem numa sociedade leniente. Aqui, misturam-se até desaparecer as fronteiras entre a lei formal e a transgressão. A falta de divisa transforma-se num forte traço da sociedade carioca e sua leniência apaixonada pela informalidade.
As críticas. Tardiamente, as escolas passam a falar de si mesmas e, no bojo, criticar mazelas brasileiras. Aqui e ali, surgem referências ao racismo, à tragédia do povo negro, à miséria, à intolerância religiosa. A crítica política explícita é bem mais tímida – as escolas não praticam a democracia. Seguem preferindo as estruturas verticalizadas, os patronos etc. Não há, no futuro visível, mudanças relevantes nessa estrutura.
Uma sabatina. A última sessão do curso será uma conversa com um personagem do Carnaval, para tratar dessas questões históricas e contemporâneas.
As aulas terão duas horas de duração, com intensa interação da plateia. Serão exibidos vídeos de desfiles e trechos de sambas-enredo emblemáticos para o tema discutido.

Às quintas-feiras de 03 a 24 de Maio.

De 18:30 a 20:30


Aydano André Motta – Jornalista com 33 anos de carreira, trabalhou em todos os principais veículos da imprensa do Rio. Cobre os desfiles do Carnaval carioca há 31 anos. Autor de “Maravilhosa e soberana – Histórias da Beija-Flor” e “Onze mulheres incríveis do Carnaval carioca”, da coleção Cadernos de Samba (Verso Brasil Editora), que coordena. Escreveu o roteiro do documentário de longa-metragem “Mulatas! Um tufão nos quadris” (Carioca Filmes).