We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. Read more…
Tuesday
08
MAY

Um Rio de Culturas

18:30
20:30
Estúdio Kubo
Event organized by Estúdio Kubo

Get Directions

Category
#var:page_name# cover

Curso Um Rio de Culturas

O ano 2018 marca o aniversário de 130 anos de assinatura da Lei Áurea. Esse mesmo acontecimento foi reivindicado como debate público no desfile da escola de samba Paraíso de Tuiuti, que lançou como questão a contínua presença e efeitos da escravidão no Brasil. Dessa maneira, o carnavalesco Jack Vasconcelos, responsável pela proposição do enredo, para encaminhar o tratamento de seu texto nos convoca a problematizar a seguinte pergunta: está extinta a escravidão?

O historiador americano George Andrews (2008), em sua obra América Afro-Latina (1800-2000), apresenta como a escravidão negro-africana codificou experiências comuns em todo continente. Um dos pontos altos do trabalho do autor é ressaltar que essas identificações não se restringem às formas de violência e subordinação impostas pelo colonialismo europeu. Andrews, localiza sua narrativa reposicionando a presença negro-africana nas Américas, a partir de inúmeras formas de luta política, invenções, intercâmbios culturais, redes de solidariedade e de calçamento do legado civilizatório de diferentes grupos populacionais atravessados pelo Atlântico, na constituição do chamado Novo Mundo.

É na perspectiva do diálogo entre essas duas referências, citadas acima, que apresentamos a proposta de um minicurso organizado em cinco aulas, que traz a interlocução das obras e pesquisas acerca das culturas, identidades e políticas afro-brasileiras nos olhares de Luiz Antonio Simas, Julio Cesar Tavares, Luiz Rufino, Flávia Oliveira e Ana Paula Ribeiro que lançam seus olhares para pensar a cidade do Rio banhada por esse caldo cultural.

Quando o samba era macumba– Luiz Antonio Simas- 8/5
A saga dos velhos cumbas: jongos, curimbas e outras amarrações– Luiz Rufino- 15/5
Dança de Guerra: Por uma teoria da capoeiragem e da comunicação corporal afro-brasileira– Julio Cesar Tavares- 22/5
Encontro com a ancestralidade: a força que semeia o mundo– Flávia Oliveira- 29/5
Imagens e narrativas da cidade: sobre cordões, quintais, subúrbios e outras passagens: Ana Paula Ribeiro- 5/6


Terças dias 08, 15, 22 29/05 e 05/06, de 18:30 às 20:30
Investimento de R$200,00
Ingressos: http://estudiokubo.com.br/programacao-cultural/um-rio-de-culturas/

Os Professores:

Luiz Antonio Simas. Historiador, professor e escritor. Estudioso das culturas de diáspora no Brasil, com atenção especial para as religiosidades, o samba e as escolas de samba. Autor dos livros “Pedrinhas miudinhas: ensaios sobre ruas, aldeias e terreiros” (Ed, Mórula), “Tantas páginas belas: histórias da Portela” (Ed. Verso Brasil), “Dicionário da História Social do Samba” (com Nei Lopes, Vencedor do Prêmio Jabuti, Ed. Civilização Brasileira) e “Samba de enredo: história e arte” (com Alberto Mussa, Ed. Civilização Brasileira).


Luiz Rufino: Doutor em Educação (UERJ), pedagogo. Atua no ensino superior lecionando as disciplinas de Filosofia da Educação, Epistemologias das Ciências da Educação e Fundamentos da Educação. Atuou como consultor na área da cultura e educação para UNESCO. Desenvolve pesquisas sobre culturas populares, outros conhecimentos, autorias, agenciamentos políticos, crítica ao colonialismo, diáspora africana e pedagogias decoloniais. É autor do livro Histórias e Saberes de Jongueiros (2014).


Julio Cesar Tavares: Professor Titular do Departamento de Antropologia da UFF. Professor no Departamento de Comunicação da Florida Atlantic University, Boca Raton, Miami, EUA (2004). Carnegie Equaty Scholar na University of Witwatersrand, Johannesburg (2010). Professor do Doutorado em Estudios Culturales da Universidade Andina Simón Bolivar, Quito, Equador (desde 2010). Participa do Advisory Board da ASWAD (Association for the Study of the Worldwide African Diaspora). Trabalha com Antropologia da Comunicação, Antropologia da Diáspora Africana, Antropologia do Corpo, História da África e Diáspora Africana no Brasil e Estados Unidos, Teoria Antropológica Contemporânea, Relações Étnicorraciais, Semiótica, Estudos Culturais e Metodologia Etnográfica com os seguintes temas: representação do negro na mídia, etnografia da diáspora africana na América do Sul, comunicação interpessoal, etnocentrismo, racismo e discriminação, cultura corporal e etnicidade, educação, cognição e tecnologias de inovação. Opera também em consultoria sobre diversidade, cultura, comunicação e cognição intercultural. É também um incansável ativista na luta contra o racismo e pela inclusão dos Estudos Antropológicos e Históricos da Diáspora e Civilização Africana em todos os currículos das redes de ensino público e privado do país. Atualmente coordena a pós-Graduação Latu-Senso em Antropologia e Desenvolvimentos Cognitivo e foi Curador e Coordenador Geral do TEDxUFF 2012. É participante, desde 2013, do Grupo de Trabalho da Salvaguarda da Capoeira na Diretoria de Patrimônio Imaterial do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e Coordena a Colaboração Técnica UFF/IPHAN para Patrimônio Imaterial, conforme DO 22/05/2015. Desde Fevereiro de 2015 é membro-consultor da Comissão Nacional da Verdade sobre a Escravidão do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil.


Flávia Oliveira: Formou-se em jornalismo pela UFF. É técnica em estatística pela Escola Nacional de Ciências Estatísticas (Ence). Tem 25 anos de experiência em jornalismo diário na cobertura de economia, indicadores sociais, desigualdade de gênero e raça, segurança pública. É colunista do jornal “O Globo”. Comenta economia no “Estúdio i” do canal “Globo News” e no “CBN Rio” da rádio “CBN”. Apresentou a temporada 2017 de programa “TED Compartilhando ideias”, do “Canal Futura”. É membro dos conselhos consultivos da Anistia Internacional Brasil, da ONG Uma Gota no Oceano, do Instituto Coca-cola Brasil e do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (Ceert) Integra a comissão de matriz africana do Museu do Amanhã, no Rio.


Ana Paula Ribeiro: Professora Adjunta do Departamento de Formação de Professores e do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação (PPGECC) da Faculdade de Educação da Baixada Fluminense/ Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Cientista Social formada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1999), com Mestrado em Ciências Sociais (UERJ, 2003) e Doutorado em Saúde Coletiva (IMS/UERJ, 2009). Realizou estágio Pós-doutoral no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais – PPGCS (UFRJ – Programa PNPD/CAPES, 2013-2015). Faz parte da coordenação colegiada do Museu Afro Digital Rio (UERJ), pesquisadora do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros (UERJ) e dos seguintes grupos: Grupos de Análises de Políticas e Poéticas Audiovisuais (GRAPPA – Antropologia do Cinema/UERJ); Museus Afro-Digitais, Relações Raciais e Artes Visuais (UERJ), Todas as Artes/Todos os Nomes. Pesquisas sobre Arte na Contemporaneidade (UFF) e do Núcleo de Pesquisa e Cultura, Identidade e Subjetividade – CULTIS (UFRRJ). Atualmente desenvolve a pesquisa “Múltiplas Imagens das Cidades: Representações no cinema e em outras mídias”, tem experiência nas áreas de Antropologia e Metodologia da Pesquisa e atua nos seguintes temas: Cinema, Cidade, Relações étnico-raciais e educação e Cultura afro-brasileira. Integrante da Facção Feminista Cineclube, do Coletivo Negras(fotos)grafias e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.