We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. Read more…
Friday
06
APR

XPO Manifesto tragico Pedro Vicente

14:00
18:00
Galeria E
Event organized by Galeria E

Get Directions

Category
#var:page_name# cover

MANIFESTO TRÁGICO
Exposição do pintor, dramaturgo, roteirista e apresentador Pedro Vicente traz reflexões sobre a harmonia impossível, na Galeria É, em São Paulo
“Estudos de uma harmonia impossível numa sociedade em surto de transformação”. Com essas palavras, Pedro Vicente define a exposição Manifesto Trágico, 06/4 a 06/05/2018 na Galeria É, do fotógrafo francês Jerome Sainte Rose, em São Paulo. Segundo o pintor, a mostra abre uma perspectiva trágica sobre um conjunto de imagens abstratas que buscam retratar contrapontos melódicos a caminho de uma “harmonia impossível”. “As imagens apresentadas são registros desse caminho”, diz ele, sobre as obras, que incluem: a série de abstrações, óleos e aquarelas, em pequenos e grandes formatos; um grafite poema concreto que convida à ampliação de perspectivas; a performance “Atendimento Poético” - uma experiência lúdico-literária-midiática; e uma obra sonora, que nomeia o conjunto (programação abaixo). “No geral, as obras buscam transmitir a percepção de um nexo poético ativo no subterrâneo da realidade, como forma capturar harmonias impossíveis”, reflete.
Reconhecido no cenário das artes pelo trabalho de dramaturgo, Pedro acredita que as duas linguagens se constroem em um mesmo processo de materialização, a partir do contato físico entre obra e artista. “O resultado é um objeto imantado pela energia gerada nesse contato.”
O Manifesto Trágico que dá nome à exposição é uma obra sonora a ser experimentada individualmente mudando a perspectiva do público sobre os trabalhos. “A arte tem uma função na evolução da espécie, é como um ponto eletrônico no ouvido do ser humano cantando o caminho das pedras preciosas no rumo de novas mentalidades, liberdades e habilidades. Se a realidade é um grande espetáculo encenado pelo coletivo artístico da humanidade, decifrar a poética desse espetáculo é libertador. Interessa o nexo poético das coisas, a vida é a mídia final, e o convite é para o reconhecimento da tragédia como forma de operar o sentido poético da realidade.”

Programação

• 25/04 (a confirmar)
Leitura Dramática da peça teatral “HB, o Homem Bom” de Pedro Vicente,
com Pedro Vicente e Renato Borghi; direção de Johana Albuquerque.

12, 19 e 26/04 – 18h as 20h
Performance: Atendimento Poético - Experiência performático-literária

Descrição:
o artista atende o público em consultas individuais de cinco minutos a meia hora, numa dinâmica de jogo divinatório.

O ARTISTA
Pedro Vicente entrou no ofício da arte pela porta do punk rock, nos anos 80, aos 18 anos, quando recebeu o primeiro cachê por uma guig junto a um coletivo performático no palco do clube CBGB, em Nova York (EUA). Lá, também trabalhou como assistente da cenógrafa Daniela Thomas em montagens no Theater for the New City. De volta ao Brasil, cursou artes cênicas na USP e traballhou como contra-regra e figurante da Companhia da Ópera Seca, de Gerald Thomas, e como vocalista compositor da banda “Peixes do Tietê”, (em parceria com o compositor de trilhas sonoras Antônio Pinto e com o fotógrafo Marcelo Tinoco). Em 1994, estreou no teatro com a peça “Banheiro”, com Luis Miranda e Graziela Moretto. No mesmo ano, expôs na coletiva Novos Noventa, no Paço Imperial do Rio de Janeiro, e faz uma individual na extinta Galeria Lanterna. Em 2003, tem o texto “Sem Memória”, encenado por Renato Borghi no Brasil, é traduzido e encenado pelo Royal Court Theatre, de Londres. Quatro anos depois, assina o longa Noel, o Poeta da Vila, de Ricardo Van Steen, com Camila Pitanga, vencedor do prêmio de Público do Festival de Tiradentes. Nesse tempo, também roteiriza programas nas TVs Nickelodeon, Cultura, Bandeirantes e Sony, além de colaborar com as companhias teatrais Ópera Seca, Bendita Trupe, Cemitério de Automóveis e Teatro Promíscuo. Por enquanto, tem nove textos encenados, incluindo “PromisQüidade”, vencedor do prêmio Funarte Flávio Rangel 97, e “Disk Ofensa”, indicado ao prêmio Shell 98. Em 2009, inicia uma série de exposições em parceria com instituições acadêmicas e de forma independente nas cidades de Berlim, Frankturt, Lisboa, Londres e Paris. Em 2011, vence uma batalha da Secret Wars Graffiti Euroleague durante o Hackney WickED Art Festival de Londres, e em 2014, faz uma residência artística no CSV Cultural Center em nova York, além de ter seu texto adaptado para o cinema no longa Noite da Virada, com Luana Piovani e Marcos Palmeira. Em 2016 inicia mestrado na ECA USP, a ser defendido em setembro de 2018. Em Fevereiro de 2018 estreia como apresentador / roteirirta da série documental Móbilis (Canal Curta 4as 19h).

Venue

Galeria E