We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. Read more…
Tuesday
10
APR

Fica, vai ter bolo! | Carolina Paz

19:30
21:30
Galeria Virgilio
Event organized by Galeria Virgilio

Get Directions

Category
#var:page_name# cover

Convidamos para uma conversa com a artista Carolina Paz e a curadora independente Luciana Solano, sobre a exposição Fica, vai ter bolo!

Excelente oportunidade para conhecer mais de perto o trabalho da artista e o seu processo criativo.

Não perca!

_______

LUCIANA SOLANO

Luciana Solano (Brasil/Nova Iorque), é uma curadora independente que se interessa, particularmente, por "site-specifics" que fazem relação entre o espectador e as configurações físico-espaciais das obras. Com formação em Biologia, Sistemas de Computação e Design, Solano também se interessa em promover conversas entre artistas, arquitetura, ciência e sistemas.
A curadora colabora frequentemente com a galeria Sapar Contemporary, em Nova Iorque.

______

CAROLINA PAZ | Fica, vai ter bolo!

Em 2017, Carolina Paz realizou pinturas baseadas em memórias e afetos despertados pelas palavras presentes em cartas recebidas como parte do projeto colaborativo: “Desejo Motivo”. Um ano depois, a galeria Virgilio mostra a exposição “Fica, vai ter bolo!”. Desta vez, Carolina define parâmetros, tais como tamanho, formato, técnica e tema, estabelecendo o contexto para que vinte pessoas de diferentes convívios sociais desenvolvam pinturas para a criação de um novo trabalho interpessoal. Em “Fica, vai ter bolo!”, a artista transfere ao outro a ação de pintar e divide com ele o espaço expositivo. Artistas e não artistas são cúmplices em uma experiência subjetiva compartilhada. Apesar da exposição apresentar pinturas de vinte e um indivíduos, não se define como coletiva, mas tampouco como individual. “Fica, vai ter bolo!” acontece na área intersticial, no interlúdio entre a artista, seus convidados e suas individualidades. Nesta área de transição e troca, Carolina está em muitas pessoas e as recebe para dialogar com suas trinta pinturas, produzidas nos últimos dois anos.
Os motivos individuais de cada participante vão do querer sentir-se dentro do processo proposto pela artista, passando pela possibilidade de usar a pintura para lidar com desejos não realizados, ao simples fato de não se ter feito parte de grupos sociais durante a vida. As vivências, no processo de criação da imagem, propiciaram a vinte indivíduos sentimentos de gratidão, nostalgia, experiências de autoconhecimento, ilusão de congelar o passado e de reviver momentos de família, possibilidade de reformular lembranças tristes ou incompletas e até mesmo de projetar acontecimentos futuros.
O conjunto de pinturas de Carolina apresentado nesta exposição vem desse lugar em torno da mesa, de afeto familiar, relaxado, de trocas, doação, celebração, desejo. A partir de movimentos espontâneos de estar presente, mergulhando em sentimentos que ativam memórias e vice-versa. São, portanto, a materialização da percepção do instante, respostas ao mundo a partir de sua subjetividade. O recorte visual não procura interpretar, mas puramente seguir essa rede de afetos e memórias que culmina em imagens do repertório da artista, por vezes aparentemente díspares, mas que compõem um corpo unificado em sua produção de arte.
Cada pintura armazena uma rede de relações sociais para existir. Como aquilo foi feito? Como foi parar ali? Quem o fez? Conheço o gosto? Aonde me leva? As imagens de cada tela são propulsoras de reações encadeadas de afeto. Como diz Carolina: “Está tudo disponível no mundo.” O que em geral falta são as ligações, os vínculos, a troca, a convivência.
As telas maiores foram pintadas sobre a intimidade de lençóis e parecem nos convidar à exploração de seus espaços, mantendo ao mesmo tempo uma tensão de voyerismo. Já os pequenos formatos sugerem a apreensão pelas mãos, como objetos. Seus tecidos e acabamentos, tais como cordas, franjas e pompons reforçam ainda mais a experiência tátil e carregam referências domésticas. Ao adicioná-los às bordas das pinturas, Carolina interfere nos limites entre pintura e parede, obra e suporte, interno e externo, sujeito e objeto, facilitando o estabelecimento de diálogos com as pinturas de seus convidados.
O processo da pintura em muito se assemelha ao de cozinhar. Gestos como o de temperar, homogeneizar, polvilhar, vitrificar, reduzir, montar, encontram correspondência na pintura. Tanto quanto seus óleos e cheiros, diluições, cores, relações com o tempo e a busca de um resultado que traz prazer aos sentidos e que carrega consigo quem somos e de onde viemos.
O consumo destas comidas e obras gera um encontro de pessoas e a apreciação das mesmas depende do que nos inspira e do que retemos, incorporamos das mesmas.
“Fica, vai ter bolo!” é um convite ao visitante a adiar sua partida, a olhar para dentro de si, a partir da convivência com as imagens do outro para com elas tecer suas próprias redes de associações e, quem sabe conectá-las em um tecido humano interpessoal, onde todos existiríamos em outras pessoas, tal como a artista e seus convidados.

Luciana Solano, Março de 2018.