We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. Read more…
Saturday
14
APR

Encontro com Pamela Yates no Rio de Janeiro

18:00
20:30
IMS Rio
Event organized by IMS Rio

Get Directions

Category
#var:page_name# cover

Pamela Yates é a homenageada do É Tudo Verdade 2018.

Discípula do diretor e fotógrafo Haskell Wexler (1922-2015), a quem retratou em “Cidadão Rebelde” (É Tudo Verdade 2016), Pamela Yates é uma das mais importantes documentaristas americanas dedicadas a temas relacionados aos direitos humanos e à América Latina. Indicada duas vezes ao Emmy, premiada no Sundance Film Festival, Yates concluiu no ano passado sua histórica “Trilogia Guatemalteca”. Realizada num período de 35 anos, a trilogia a um só tempo documentou e ajudou a alterar o destino da Guatemala, em especial de
sua população maia. Em parceria com o Human Rights Watch Brasil, o É Tudo Verdade apresenta pela primeira vez no país a trilogia na íntegra, na presença de Yates e de seu produtor, Paco de Onis.

DEBATES
É Tudo Verdade e Human Rights Watch Brasil apresentam
Encontros com Pamela Yates

no RJ - Instituto Moreira Salles - IMS
14 de abril às 18h – debate após sessão de "500 anos", às 16h.

+
em SP - SESC 24 de Maio
18 de abril às 15h - debate após a sessão de "500 anos", às 13h.


#ENTRADAFRANCA

SOBRE OS FILMES
500 ANOS
Dir.: Pamela Yates, EUA, 2017, 105 min.
“500 Anos” conta o épico evento que levou a Guatemala a um ponto de reflexão na sua história, do julgamento do genocídio praticado pelo ex-ditador General Rios Montt ao movimento popular que derrubou o Presidente Otto Perez Molina. Focando temas universais como justiça, racismo, poder e corrupção, eis a história a partir da perspectiva da maioria da população indígena maia, suas lutas no país e a guerra crescente contra a impunidade.

GRANITO
Dir.: Pamela Yates, EUA, 2011, 100 min.
Em 1982, a cineasta Pamela Yates visitou a Guatemala, deparando-se com o auge de uma guerra civil que opunha, de um lado, estudantes e indígenas maias e, de outro, uma ditadura militar. Como saldo trágico, registraram-se dezenas de milhares de desaparecimentos dos rebeldes, num processo que foi
descrito como um verdadeiro genocídio promovido pelas forças de segurança. A luta tornou-se o tema de um documentário, “Quando as Montanhas Tremem”. Vinte anos depois, com a democratização da Guatemala e a instalação de um tribunal de crimes de guerra na Espanha, desencadeou-se um processo para indiciar os responsáveis pelos crimes do passado.
Identificando imagens de seu antigo filme como peças da acusação, a diretora também questiona seu papel nos acontecimentos.

QUANDO AS MONTANHAS TREMEM
Dir.: Pamela Yates e Newton Thomas Sigel, EUA, 1983, 83 min.
O documentário relata a história de Rigoberta Menchú, uma indígena maia que lutou pelo seu povo durante um genocídio executado pela ditadura da Guatemala. Esse é o primeiro filme que retrata essa guerra não divulgada, contada aqui em primeira mão pelos olhos de Mechú, uma militante pela paz e
pelos direitos dos índios. Em “Quando as Montanhas Tremem”, filmado em 1982, ela mostra coragem e otimismo em um tempo onde os esquadrões da morte matavam sem consciência e um opressivo ditador tomava o poder. O filme ajudou a posicionar Mechú no cenário mundial, tornando-se ela em 1992 a primeira mulher indígena a receber o Prêmio Nobel da Paz.

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO http://etudoverdade.com.br/br/programacao/

Venue

IMS Rio