We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. Read more…
Tuesday
03
APR

Da Grécia ao Brasil: a classe trabalhadora sob ataque.

19:00
22:00
UJC São Paulo
Event organized by UJC São Paulo

Get Directions

Category
#var:page_name# cover

A Grécia despontou, depois da crise econômica de 2008, tanto como o país mais endividado da Europa quanto como o país mais mobilizado contra as brutais medidas de austeridade da Troika (composição do FMI, Banco Mundial e União Europeia). Sob as bandeiras do “progresso” e da “necessidade”, as três instituições impuseram duríssimas medidas de restrição ao país, que explicitamente se mostraram como ataques à classe trabalhadora grega. Enquanto a Grécia era internacionalmente extorquida em defesa do capital financeiro, os gregos deram exemplo de resistência popular, e continuam a apontar que a saída só poderá se dar pela superação do sistema falido.

No Brasil, as reviravoltas políticas conjuradas a partir do junho de 2013 indicaram um novo ciclo a vir. Conforme a crise econômica adentrou no cenário nacional, as contradições entre o programa petista de conciliação de classes e as exigências da burguesia encastelada tornaram-se mais e mais gritantes. A queda de Dilma, resultante de um esforço unitário dos setores da direita brasileira, apoiados em seus tentáculos no aparato de Estado, marcou o esgotamento da capacidade do Partido dos Trabalhadores de suprir as classes dominantes, batizando um novo ciclo puro-sangue da burguesia. Se, por um lado, Temer avançou a passos largos com as contrarreformas do Estado, por outro, a classe trabalhadora brasileira se torna cada vez mais inquieta.

Separadas por um oceano, as classes trabalhadoras grega e brasileira se encontram no caminho da história. Do Brasil à Grécia, a falha da balança da conciliação em defender os trabalhadores deixou um grande vácuo a se preencher, mas apontou, também, à necessidade histórica de uma alternativa capaz de superar, uma vez por todas, os ciclos de subjugação.

O que significará, para ambos os países, o fortalecimento da esquerda revolucionária? Quais as perspectivas da classe trabalhadora sob ataque?

Convidamos a todos para debater!