We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. Read more…
Friday
06
APR

Retratos Teatrais: À Conversa Com Manuel Marcelino | Braga

21:30
23:30
Poética Edições
Event organized by Poética Edições

Get Directions

Category
#var:page_name# cover

Regresso a "Retratos Teatrais", obra de Manuel Marcelino, co-fundador da companhia "A BARRACA", EM 1975, com Maria do Céu Guerra e Mário Alberto.

A obra reúne três textos dramáticos de Manuel Marcelino:
A Mosca, 2015, nova versão
Ocupação & Ocupações (1975/2015)
Performance teatral: 2014 (2015/16)

Marcado pela crítica social e pelo humor, esta é uma obra de referência para os amantes do teatro.

Desenhos: Manuel Marcelino
Aguarelas (interior) e óleo (capa): Custódio Almeida

--
Manuel Marcelino (n. 1944) Estudou medicina na FML mas não completou o curso. É, dramaturgo, pintor, poeta, escreveu no Diário de Lisboa-Juvenil, mais tarde na página cultural do Alavanca (CGTP-IN), e no boletim Voz do Operário. É fundador do Grupo de Acção Teatral A Barraca - Cooperativa de Teatro. Foi actor do grupo, entre outras responsabilidades, desde a fundação até 1985. A estreia como actor profissional ocorreu no TNT (1974) com a peça “A greve dos choféres”, de Clifford Odets, encenada por Paulo Renato. Antes, esteve ligado ao teatro amador como actor e/ou encenador. Participou em vários programas da RTP, em séries, como a “Tragédia da Rua das Flores”, e em peças teatro radiofónico (RDP). No cinema foi produtor e realizador de filmes publicitários (Ritmo), e estreou-se como actor no filme de Perdigão Queiroga As Pupilas do Sr. Reitor. Trabalhou na Filmform, onde foi produtor e actor no KILAS, o mau da fita, e séries de televisão do realizador José Fonseca e Costa. De 1985 a 2011, foi gestor de empresas com responsabilidades na gestão de recursos humanos, responsabilidade social e comunicação, sendo também membro activo do Associativismo Empresarial (APESPE e CCP). Desempenhou funções na Agência Europeia de SST e no Eurofound e representou a Confederação do Comercio e Ser-viços de Portugal em sessões plenárias da OIT, entre outras instituições. Actualmente escreve teatro e é um reformado activo.