We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. Read more…
Tuesday
24
APR

Exposição "Azupéis-Azulejos de Papéis" Claudio Roberto Castilho

12:00
19:00
Vertical Shopping
Event organized by Vertical Shopping

Get Directions

Category
#var:page_name# cover

AZUPÉIS é um projeto de exposição inédita do artista plástico brasileiro Claudio Roberto Castilho, prevista para ser realizada no Museu Nacional do Azulejo, em Lisboa, entre 2012 e 2013. Utilizando papel artesanal e reciclado como principal material, o artista desenvolveu trabalhos em dimensões iguais as dos tradicionais azulejos portugueses (15 x 15 cm).

Os “Azupéis” são criados a partir do reaproveitamento de papéis diversos, tecidos, entretelas, aquarelas, etc. Alguns dos papeis utilizados nas obras são de fabricação própria. Até mesmo os tecidos são usados para fazer papel. Fotos esquecidas, gravuras em metal mal impressas ou não, tudo serve de matéria-prima para a criatividade do artista – uma mistura harmoniosa de diferentes elementos e técnicas que resultam em obras únicas e ecologicamente corretas.

O artista Claudio Roberto Castilho

Nascido no Rio de Janeiro em 1958, Com mais de 40 anos de carreira, Claudio é formado em Arquitetura (Bennet), com pós-graduação em Arte Educação (FORMAE, com Hélio Rodrigues). Estudou pintura, desenho, escultura, cerâmica, papel artesanal e gravura sobre metal com artistas renomados como Rubens Gershman, Paulo Penna Firme, João Carlos Goldberg, Celeida Tostes, Nelly Gutmacher, Alice Felzenszwalb, entre outros. Fez estágio no Museé d’Art Moderne de la Ville de Paris. Em sua vasta trajetória profissional, destacam-se a participação na exposição coletiva “Como Vai Você Geração 80”, realizada na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, RJ, em 1984, com a instalação “Festa do Confete”, o recebimento do Prêmio de Melhor Gravura no 9º Salão Carioca, em 1985, RJ. Claudio foi ainda co-fundador do Circuito das Artes do Jardim Botânico, no Rio de Janeiro.Trabalhou e lecionou no Ateliê de Artes FMourão de 2004 a 2008. É professor de Assemblage (colagem de objetos), Aquarela, Pintura e Cerâmica em seu ateliê, atualmente na Rua Lopes Quintas 215 casa 10, Ateliê Casa 10.

OBJETIVOS

O principal objetivo da exposição é transmitir uma visão contemporânea sobre a tradição histórica dos azulejos tradicionais portugueses, através de obras de arte concebidas a partir do reaproveitamento de materiais, especialmente papel reciclado e papel antigo reutilizado.

JUSTIFICATIVA

Com diferentes características estéticas, o azulejo tornou-se um elemento de construção divulgado em diversos países, assumindo-se em Portugal como importante suporte para a expressão artística nacional ao logo de cinco séculos. Além do valor intrínseco de material decorativo e estético, reflete-se no azulejo o repertório do imaginário português, a expressão artística diferenciadora da cultura portuguesa no mundo.

Claudio Roberto Castilho é bisneto de portugueses. Já criou azulejos de cerâmica e há anos trabalha com quadros abstratos em formatos geométricos; sempre fez trabalhos de papel, como pequenos quadrados, mas, somente ao visitar o Museu Nacional do Azulejo, em Lisboa, em 2009, teve um “insight” de que os seus trabalhos eram “azulejos de papel”. Daí nasceram os “Azupéis”. Apesar de ter desenvolvido a técnica há anos, os trabalhos nunca foram expostos tanto no Brasil, como no exterior.

A integração entre passado, presente e futuro e o conceito de produção de uma arte ecologicamente correta permeiam toda a trajetória de Claudio Roberto Castilho. Em 1983, o artista fez o seu primeiro papel reciclado. Na instalação “Festa do Confete”, em 1984,na famosa exposição “Como vai você, Geração 80?”, todo o papel utilizado era artesanal, criado por ele e sua equipe.
A principal característica de suas obras é a mistura harmoniosa de técnicas e materiais reutilizáveis, alguns com mais de cinquenta anos de existência. São resquícios da memória de sua família ou de amigos, gravuras antigas,.páginas de livros, ilustrações antigas, fotos e papéis de todo o mundo, novos e antigos.