We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. Read more…
Saturday
21
APR

Resistir nas frestas: Almoço coletivo e roda de conversa

11:00
17:00
Goethe-Institut São Paulo
Event organized by Goethe-Institut São Paulo

Get Directions

Category
#var:page_name# cover

Um almoço coletivo, a exposição do ateliê aberto e uma roda de conversa para celebrar o encerramento da residência Inventariando: plantas e histórias da Vila será dedicado às plantas ali encontradas.

Propomos abrir nossa cozinha para a preparação de um almoço coletivo, que será dedicado às plantas encontradas na Vila. Além das espécies mais conhecidas procuraremos estabelecer um vínculo com as plantas comestíveis alimentícias não convencionais (PANCs) e com aquelas que fazem parte da cultura brasileira. Contaremos com a presença do Clube de Receitas, que já se reúne semanalmente na Vila Itororó para trocar experiências e sabores.

A partir das 15h teremos uma roda de conversa sobre as plantas como memória e resistência, com Gabriela Leiras do projeto Jardinalidades. O debate deixa de ser apenas um fechamento para apontar possíveis caminhos sobre como resistir na cidade de hoje através da arte e do olhar para as plantas.

Nesta tarde, também será apresentada a exposição do ateliê aberto, fruto da residência enquanto processo artístico.

Para o almoço fazer inscrição prévia pelo link ou chegar 10 minutos antes do evento
É imprescindível vir de sapato fechado.
Ateliê aberto para a família!

SOBRE A RESIDÊNCIA

A residência "Inventariando: plantas e histórias da Vila" de Berta Oliveira e Julia Tranchesi parte do pressuposto de que a história da Vila Itororó pode ser contada a partir de diversos pontos de vista, por diversas pessoas, pelo próprio ambiente e sua arquitetura. O que as espécies vegetais ali presentes podem revelar enquanto relações do espaço, de afeto e resistência?

Através da construção de um mapeamento afetivo e da feitura de um herbário, é proposto explorar as plantas observadas, suas histórias e memórias, com técnicas artísticas diversas, capazes de gerar outras reflexões e relações com as espécies vegetais, trabalhando então as plantas como matéria a ser reelaborada. O ponto de partida para a prática artística torna-se ao final colagem, fotocópia, frottage e desenho.